• Felipe

Antes de amar os outros, ame a si mesmo: As relações entre amor e autoestima

Esta é uma entrevista realizada com a mestranda Luiza Fagundes, mestranda do Programa de Pós-Graduação da PUC-Rio.



Qual o objetivo da pesquisa?

O objetivo da pesquisa foi testar as relações entre a autoestima e os estilos de amor.


O que é autoestima?

A autoestima é a atitude – positiva ou negativa – frente ao autoconceito. Ela é a autoavaliação do indivíduo a respeito de suas qualidades, virtudes ou valor.


Quais foram os estilos de amor pesquisados?

Pesquisei 6 estilos de amor, de acordo com a teoria As Cores do Amor de John Lee. Ele identificou três estilos primários (Eros, Ludus e Storge) e três estilos secundários (Mania - Eros+Ludus, Pragma – Ludus + Storge e Agape – Eros + Storge), que derivam da combinação dos três primeiros. Eros – amor erótico, apaixonado; Storge – amor companheiro; Ludus – amor manipulativo; Mania – amor possessivo e dependente; Pragma – amor pragmático, conveniente; Agape – amor altruísta. Apesar deles serem relacionados, cada um possui propriedades qualitativas independentes dos outros. Um estilo de amor não é visto como superior ou mais verdadeiro do que o outro.


Como foi realizada a sua pesquisa?

A coleta de dados foi realizada por meio de um questionário online disponibilizado em redes sociais e enviados por e-mail. Participaram do estudo 574 brasileiros, sendo 69,7% mulheres e 59,6% da região Sul. A média de idade dos respondentes foi de 27,1 anos. O questionário continha perguntas sociodemográficas e duas escalas (Escala de Autoestima de Rosenberg e Love Styles Scale) para medir as variáveis do estudo.


Quais foram os resultados?

A autoestima apresentou correlação negativa com o fator Mania dos estilos de amor, tanto para os homens quanto para as mulheres. Também encontrei, para as mulheres, correlações negativas entre a autoestima e os fatores Agape e Ludus. Os resultados mostraram que, para as mulheres, a autoestima correlaciona-se com mais estilos de amor do que para os homens.


O que os resultados sugerem?

Os resultados sugerem que as avaliações negativas a respeito de si mesmo se associam, tanto para os homens quanto para as mulheres, com relacionamentos amorosos marcados por dependência, possessão e ciúmes. A busca ansiosa de amor pelo amante maníaco funciona para compensar sua baixa autoestima. Além disso, níveis mais baixos de autoestima relacionam-se, para as mulheres, com interações manipulativas e descompromissadas.


Há semelhanças e/ou diferenças entre esses resultados e os resultados encontrados por outras pesquisas nessa área?

Sim! Hendrick e Hendrick (1986) realizaram uma pesquisa com 1807 universitários, relacionando os seis estilos de amor com diferentes variáveis, dentre elas a autoestima. Por um lado, minha pesquisa corroborou um dos resultados encontrados pelos pesquisadores, que verificaram correlação negativa entre a autoestima e o fator Mania, mas, por outro, refutou a correlação positiva verificada entre a autoestima e o estilo Ludus de amor.


Qual a importância desses resultados para a ciência?

A presente pesquisa ressalta a importância da autoavaliação no estabelecimento de relações afetivas, uma vez que os níveis de autoestima impactam na qualidade da vida social do indivíduo, incluindo os relacionamentos amorosos.

213 visualizações

Rua Marquês de São Vicente, 225 
Rio de Janeiro, RJ - Brasil

22451-900

fone: +55 21 3527.2080

  • Facebook